O Município de Lagoa tem por objetivo assinalar datas importantes através de atividades diversas com a definição da Agenda local anual para a Igualdade e Cidadania de Lagoa em parceria com os agentes locais. 

A Agenda local para a Igualdade espelha o compromisso do Município de Lagoa com todos e todas as lagoenses, ambicionando que as atividades possam garantir uma maior sensibilização, igualdade e diversidade de ação e intervenção quer na esfera pública como privada. É preponderante o envolvimento de toda a organização, bem como dos agentes externos, como as empresas e as entidades de caráter solidário, que intervêm ao nível desportivo, recreativo, educativo e humanitário, para a concretização de atividades diferenciadas nestas matérias.

 

Dia Internacional da Mulher| 8 de março

Cartaz com programação

 

Programação

 

Campanha Rostos da Igualdade em Lagoa

 

Música da Campanha Rostos da Igualdade, na Voz de Luana Velasquez, na viola portuguesa João Arrobe e com a letra de Santiago Perdigão. Para ouvir, carregue aqui.

 

Vereadora Ana Martins| Conciliação e Vida Política

Iniciamos a Campanha Rostos pela Igualdade em Lagoa com a Vereadora Ana Martins, considerando a sua participação política e cívica no concelho e a sua representação política autárquica enquanto responsável pelos pelouros da igualdade de género e cidadania, juventude, educação, cultura, modernização administrativa, logística e manutenção e compras da Câmara Municipal. Para visualizar o vídeo carregue aqui

  

Fábio Rebelo| Conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal 

No 2º dia da Campanha Rostos da Igualdade em Lagoa apresentamos Fábio Rebelo, pai há cerca de 10 meses e trabalhador da Câmara Municipal de Lagoa. Fábio é um forte exemplo de como é importante conciliar a vida profissional, familiar e pessoal, para que seja possível estar presente nos primeiros meses de vida de um/a filho/a. Para visualizar o vídeo carregue aqui

 

Mónica e Cândida| Calceteiras 

Mónica e Cândida são duas mulheres que recentemente abraçaram o desafio de desempenharem a função de calceteiras. A profissão de calceteiro/a é tendencialmente ocupada por homens, por ser considerado um trabalho que requer um maior esforço físico. Ajoelhados/as na calçada e armados/as com um martelo, os e as "calceteiras" são as pessoas encarregadas de construir pedra a pedra o caminho de Portugal desde meados do século XIX. Para visualizar o vídeo carregue aqui

 

Leonora Nascimento| A Mulher no Desporto e na Proteção Civil

Iremos abordar a Mulher no Desporto e nas atividades de Proteção Civil, através do testemunho de Leonora Nascimento. O desporto e a proteção civil são áreas em que existe uma larga percentagem de pessoas do sexo masculino e onde geralmente as mulheres ocupam um papel secundário ou administrativo. Para visualizar o vídeo carregue aqui. 

 

Susana Valente| A Mulher na Informática

Terminamos a Campanha Rostos da Igualdade com o testemunho de Susana Valente, informática há mais de 30 anos. As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), são um setor onde as mulheres estão sub-representadas. Segundo a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género um dos desafios das TIC relaciona-se com o GAP entre as mulheres e homens, tanto a nível educacional como no mercado de trabalho, o que na prática se traduz em lacunas na inovação e no futuro de toda a economia digital. Para visualizar o vídeo carregue aqui. 

 

 

Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial| 21 de março

Cartaz com programação

cartaz

Aapresentação do livro Dicionário da Invisibilidade e abertura da exposição das ilustrações de andré carrilho, decorreu no dia 21 de março, dia em que se celebra o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial, dia esse que foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em referência ao Massacre de Sharpeville.

Para quem não conhece a história, partilho convosco que a 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20 000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a ter um cartão que continha os locais onde era permitida a sua circulação. No entanto, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid disparou sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos.

Este dia na África do Sul é o dia dos direitos humanos, sendo inclusivamente um feriado público, para relembrar a vida daqueles que morreram para lutar pela democracia e pela igualdade de direitos humanos para todos na África do Sul durante o apartheid, um sistema institucionalmente racista baseado na discriminação racial.

Passo agora a palavra ao Sr. José Falcão, um dos coordenadores do Livro Dicionário da Invisibilidade que é um projeto da autoria do SOS Racismo e retrata as vidas e histórias de mais de três mil protagonistas considerados “invisíveis” mas que estiveram na linha da frente das lutas sociais.