A Câmara de Lagoa decreta um dia de luto municipal e aprova um voto de pesar pelo falecimento do Lagoense Manuel Gamboa.

 

A proposta foi apresentada pelo Presidente Luís Encarnação em reunião extraordinária de Câmara desta manhã de 14 de fevereiro de 2020 e aprovada por unanimidade.

O dia de luto municipal foi decretado para o dia de hoje, ou seja, o dia a seguir ao da morte do reconhecido e prestigiado pintor de Lagoa, Manuel Gamboa, que ocorreu a 13 de fevereiro de 2020.

O executivo municipal de Lagoa partilha com todos os lagoenses e os que fora do concelho acompanharam o talento e a vida do pintor, a sua consternação pelo desaparecimento desta figura de enorme relevo para o concelho, para a região do Algarve e para o mundo das artes que não conhece fronteiras. O município apresenta sentidos pêsames aos familiares e amigos de Manuel Gamboa.

De recordar que Manuel Gamboa, artista natural de Lagoa, morreu esta quinta-feira, 13 de fevereiro, na unidade de Portimão do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA). Tinha 94 anos.

Este ilustre Lagoense viveu em Lisboa entre 1932 a 1944. Regressou ao Algarve, aos 19 anos. Daqui partiu, rumo a Marrocos, onde permanece durante apenas um ano.
Este artista plástico  revelou desde a infância pré-escolar fortes tendências para o desenho e para a pintura.

Auto didata, com elevado grau de exigência técnica e estética, Manuel Gamboa inicia a carreira artística nos anos 50, frequentando os meios culturais e ateliers de vários artistas de Lisboa, entre os quais se destacam Artur Bual, Francisco Relógio, Rui Filipe, os irmãos Bronze, Charrua, M. Cargaleiro, D’Assumpção, Gonçalo Duarte, Figueiredo Sobral, Mário Silva e Hilário Teixeira Lopes. Recebe influências de algumas das mais sólidas referências tradicionais, do modernismo e do futurismo, como Abel Manta, Jorge Barradas e Almada Negreiros.

Mantém convivência estreita com outros poetas e escritores seus contemporâneos, como Manuel de Castro, J. Pressler, Herberto Helder. David Mourão-Ferreira e Natália Correia, lado a lado com Virgílio Ferreira e Sttau Monteiro, Aquilino e Tomaz de Figueiredo.

Em 1960 M. Gamboa visita Paris, onde vive temporariamente em casa do pintor D' Assumpção.  Em 1964, instala-se em Hamburgo, frequentando aí o meio cultural, desenvolvendo intensa atividade artística profissional. Fica na Alemanha, até 1987.

Em finais dos anos oitenta, o pintor regressa a Portugal e constrói a sua casa-atelier em Vale d’el-Rei – Lagoa. É a partir daqui que prossegue o incessante trabalho a que consagrou mais de nove décadas de existência, construindo uma notável expressão poética de um cântico à vida.

Para dar o merecido destaque a esta vida e obra, o Município vem preparando nos últimos dois anos um espaço museológico a denominar «Espaço Gamboa», que deverá fazer parte do Centro cultural-Convento de São José.

Pin It

Lagoa 2020 - Cidade Sustentável

Ao continuar a navegar está a concordar com a utilização de cookies neste site. Para não autorizar a sua utilização, por favor utilize as opções do seu browser e altere as definições de cookies de acordo com estas instruções.